Sousa/PB -
Criança Feliz

Câmara de Vereadores de Nazarezinho faz manobra para barrar Programa Criança Feliz

Já é do conhecimento do meio político e de toda a população que há uma clara tentativa de dificultar os trabalhos do executivo municipal

Da Redação Repórter PB

18/05/2022 às 08:58

Ads 970x250
Imagem Plenário da Câmara de Vereadores em Nazarezinho

Plenário da Câmara de Vereadores em Nazarezinho ‧ Foto: divulgação

Tamanho da fonte

Em mais uma clara tentativa de travar as ações da gestão do prefeito Marcelo Vale, a presidente da câmara Carrinha de Carlão fez uma manobra para barrar a criação do Programa Criança Feliz no âmbito municipal. 

O gestor municipal enviou o projeto em regime de urgência que tem o prazo de 30 dias para ser votado, e o projeto já tinha sido derrotado nas comissões e ao invés de ir para plenário para a votação da maioria, a presidência da casa de valeu da expertise com a argumentação que não teria aprovação porque a sessão que seria votado foi suspensa.

Já é do conhecimento do meio político e de toda a população que há uma clara tentativa de dificultar os trabalhos do executivo municipal já que no legislativo o prefeito Marcelo Vale tem minoria. Já são diversos projetos e praticamente todos são rejeitados, emendados ou negados pelo legislativo. 

O que é o Programa Criança Feliz

O Programa Criança Feliz surge como uma importante ferramenta para que famílias com crianças entre zero e seis anos ofereçam a seus pequenos ferramentas para promover seu desenvolvimento integral.

Por meio de visitas domiciliares às famílias participantes do Cadastro Único, as equipes do Criança Feliz farão o acompanhamento e darão orientações importantes para fortalecer os vínculos familiares e comunitários e estimular o desenvolvimento infantil.

Os visitadores serão capacitados em diversas áreas de conhecimento, como saúde, educação, serviço social, direitos humanos, cultura etc. A troca com as famílias será rica e constante. Assim, novos campeões serão criados e a luta pelo desenvolvimento social será vencida.

Para participar do programa, é preciso manter os dados no Cadastro Único atualizados, principalmente quando há grávidas e crianças de até três anos na família.

OBJETIVOS DO PROGRAMA

O Programa Criança Feliz atende gestantes, crianças de até trinta e seis meses e suas famílias incluídas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, crianças de até setenta e dois meses e suas famílias beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada (BPC); e crianças de até seis anos afastadas do convívio familiar em razão da aplicação de medida de proteção. 

Promover o desenvolvimento infantil integral;
Apoiar a gestante e a família na preparação para o nascimento da criança;
Cuidar da criança em situação de vulnerabilidade até os seis anos de idade;
Fortalecer o vínculo afetivo e o papel das famílias no cuidado, na proteção e na educação das crianças;
Estimular o desenvolvimento de atividades lúdicas;
Facilitar o acesso das famílias atendidas às políticas e serviços públicos de que necessitem; 
 
POPULAÇÃO BENEFICIÁRIA

Gestantes e crianças de até 36 (trinta e seis) meses inseridas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - CadÚnico;
Crianças de até 72 (setenta e dois) meses e suas famílias beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada;

Crianças de até 72 (setenta e dois) meses afastadas do convívio familiar em razão da aplicação de medida de proteção prevista no art. 101, caput, incisos VII e VIII, da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, e suas famílias;

Crianças de até 72 (setenta e dois) meses inseridas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - CadÚnico, que perderam ao menos um de seus responsáveis familiares, independente da causa de morte, durante o período Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) decorrente da Covid-19.

 

Fonte: Repórter PB

Ads 728x90

QR Code

Para ler no celular, basta apontar a câmera

Comentários

Aviso Legal: Qualquer texto publicado na internet através do Repórter PB, não reflete a opinião deste site ou de seus autores e é de responsabilidade dos leitores que publicam.