Filiação de Bolsonaro ao PP poderá trazer Marcelo Queiroga como pré-candidato ao Governo da PB

A filiação de Bolsonaro ao PP, também implicaria em posicionamento mais firme do ex-prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues

O cenário político da Paraíba pode mudar a qualquer momento, caso se confirme a filiação do Presidente Jair Bolsonaro ao PP na esfera federal.


O xadrez político Estadual poderia tomar novas configurações, exigindo posicionamentos claros de algumas lideranças do centrão que aparentemente estão em cima do murro quando o assunto é a presidência da república na Paraíba.


Claramente o holofote explodiria na figura do Deputado Federal, Agnaldo Ribeiro, e sua Irmã, a Senadora, Daniela, sem contar com o Prefeito da Capital João Pessoa, Cícero Lucena, figuras atualmente importantes no apoio à reeleição do Governador João Azevedo (Cidadania), considerado, governo de esquerda, contrário as políticas conservadoras de Bolsonaro.


A filiação de Bolsonaro ao PP, também implicaria em posicionamento mais firme do ex-prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, pré-candidato ao Governo do Estado. Romero amigo do presidente da república por sinal vem sendo bastante criticado por Bolsonaristas raízes pela dubiedade do ex-prefeito que ainda não se consolidou com seu projeto rumo ao Palácio da Redenção.

Na política não existe espaço vazio. Uma figura nova poderia ocupar esses Cânions do bolsonarismo raiz na Paraíba, e até a condição de pré-candidato ao Governo do Estado. Esse nome seria do atual Ministro de Saúde, Marcelo Queiroga, o que sem sombra de dúvida agradaria a muitas lideranças paraibanas da oposição que não vêem em Romero as condições especificas para hastear a bandeira do conservadorismo em solo paraibano.


Forçaria também a Família Ribeiro se posicionar. Ou ficar com o Governador João Azevedo, ou de fato tremular a bandeira do conservadorismo no Estado, com abertura também de vagas para o senado, e vice-govenador a disposição.


Esse cenário se configurando, não seria nada agradável para o Governador João Azevedo que internamente usa da estratégia de bombeiro para apagar focos de incêndios políticos de aliados querendo ocupar vaga na Chapa Majoritária.


É fato que Marcelo Queiroga, Pombalense, Sertanejo é conhecedor dos problemas do Estado, e poderia ser uma boa saída para a oposição que vive ainda batendo cabeça, sem clima para dialogar, haja vista muitas lideranças estarem em cima do muro, querendo esperar o mar pegar fogo para comer peixe assado mais tarde.


Talvez muitos nem saibam que a “batata” de algumas lideranças políticas que hoje se acham ser a última Coca-Cola do deserto esteja assando há bastante tempo a todo vapor.


Tudo pode acontecer, inclusive nada. Não acham?

Tenho Dito

Pereira Jr.
Articulista, Analista político, Editor chefe do Portal REPORTERPB, Apresentador.

Destaques