Sousa/PB -
improbidade

Juiz arquiva processo que pediu indisponibilidade de bens no valor de R$ 2,4 milhões do ex-prefeito de Sousa

Ação era promovida pelo Município de Sousa, e pedia a indisponibilidade bens do ex-gestor por Ato de Improbidade Administrativa

Da Redação Repórter PB

19/05/2022 às 13:42

Ads 970x250
Imagem Ex-prefeito de Sousa, André Gadelha

Ex-prefeito de Sousa, André Gadelha ‧ Foto: divulgação

Tamanho da fonte

Decisão da 4ª Vara da Comarca de Sousa, julgou improcedente, Ação por Ato de Improbidade, apresentada contra o ex-prefeito, André Gadelha, uma Empresa a qual é sócio, e sua Irmã, a ex-secretária de Saúde, Noêmia Rachel de Araújo Gadelha.

A lide pediu bloqueio de bens no valor de R$ 2.407.878,28 (dois milhões quatrocentos e sete mil e oitocentos e setenta e oito reais e vinte e oito centavos) dos bens de André Avelino de Paiva Gadelha Neto.

Ação era promovida pelo Município de Sousa, e pedia a indisponibilidade bens do ex-gestor por Ato de Improbidade Administrativa. 

Ao julgar o Processo, o Juiz da 4ª Vara da Comarca de Sousa, Dr. Agílio Tomás Marques, determinou que os autos fossem arquivados.

- Destaco que o Município de Sousa, intimado, não comprovou, nestes autos, qualquer lei em vigor concedendo poderes aos advogados/procuradores acima, afinal, quem alega direito municipal tem que prová-lo. EXTINGO O PROCESSO SEM APRECIAÇÃO DO MÉRITO. Sem custas nem honorários advocatícios, resume a Decisão da 4ª Vara da Comarca de Sousa. 
 

Fonte: Repórter PB

Ads 728x90

QR Code

Para ler no celular, basta apontar a câmera

Comentários

Aviso Legal: Qualquer texto publicado na internet através do Repórter PB, não reflete a opinião deste site ou de seus autores e é de responsabilidade dos leitores que publicam.