Operação

Vereador Koloral explica busca e apreensão pelo GAECO em sua residência em Sousa

Em Sousa outros endereços, inclusive de familiares do Vereador Koloral foram visitados. Entre eles, um é do Irmão da Secretária Livânia Faria

O Vereador Koloral Júnior (Avante), que teve sua casa cercada na manhã desta quinta-feira (14) pelo GAECO, Policiais Federal para cumprirem mandados de buscas e Apreensões na 3ª Fase da Operação Calvário que apura desvios de recursos da saúde no Estado da Paraíba.


O parlamentar mirim disse que estava tranquilo com ação, e arrematou: “Só achei ruim que eles chegaram cedo demais. Eu costumo dormir 3h da manhã. Estou tranquilo. Eu sei da verdade. Eu sei que eu faço, o que a minha família faz. Isso jamais vai ofuscar a gente. Todo muito sabe que somos cidadãos de bem”, completou.


Koloral Júnior comentou que tudo que o GAECO está investigando é sobre o desvio de R$ 1,1 bilhão da OS que administração Hospitais na Paraíba, “não é nada demais, e que estou tranquilo”.


Sobre os problemas que a Polícia Federal teve em abrir o portal de sua residência, a ponto de mandar chamar um chaveiro, o vereador, vice-presidente da Câmara de Sousa, Koloral Júnior, disse que não houve problema, algum e explicou: “ Todo mundo sabe que eu não acordo cedo. Inclusive o Promotor que estava aqui, achou graça. Eu não abrir por quer não escutei. Eu me acordo tarde. Tudo está tranquilo”, frisou.

LEIA MAIS - GAECO e MPF cumprem mandados de busca e apreensão em Sousa e João Pessoa nesta quinta-feira (14)



Com relação aos documentos, de compra e vendas de terrenos em seu nome, cujos documentação, o CAEGO fez apreensão, o Vereador comentou: “era um terreno que eu estava adquirindo. Só que eu desistir. Não era nada demais. Eu tenho terreno no cemitério, no meio de rua, em loteamento. Não é nada demais o terreno”, diz.


Sobre o envolvimento de sua tia, Livânia Farias no esquema que apura desvio de verbas da saúde do Estado da Paraíba, o Vereador, Koloral Júnior disse que era melhor perguntar “a ela. O é perguntando a mim eu respondo. O que for perguntando a ela (Livânia) ela responde.


Os Agentes do GAECO já deixaram a residência do Vereador Koloral Júnior levando documentos, e inclusive, celulares.


Em Sousa outros endereços, inclusive de familiares do Vereador Koloral foram visitados. Entre eles, um é do Irmão da Secretária Livânia Farias.


Mais Informações do MPF


Foi deflagrada, na manhã desta quinta-feira (14/03), a terceira fase da Operação Calvário, pelo Ministério Público da Paraíba, através do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco/MPPB) e Comissão de Combate aos Crimes de Responsabilidade e à Improbidade Administrativa (Ccrimp).

O objetivo desta fase foi cumprir 11 mandados de busca domiciliar, expedidos pelo desembargador Ricardo Vital de Almeida, atendendo à solicitação do MPPB, em desfavor de Livânia Maria da Silva Farias, Elvis Rodrigues Farias, Haroldo Rivelino da Silva, Haller Renut da Silva, Gabriella Isabel da Silva Leite, Lucas Winnicius da Silva Leite, Carlos Pereira Júnior (Kolorau Júnior), Maria Laura Caldas de Almeida Carneiro, Josildo de Almeida Carneiro, Saulo Pereira Fernandes e Keydson Samuel de Sousa Santiago, nos autos da medida cautelar ajuizada para fins de coleta de elementos de prova, ainda na fase anterior à denúncia.

A Operação Calvário, no Estado da Paraíba, investiga núcleos de uma organização criminosa comandada por Daniel Gomes da Silva, que é responsável por desvio de recursos públicos, corrupção, lavagem de dinheiro e peculato, através de contratos firmados junto a unidades de saúde do Estado, com valores chegando a R$ 1,1 bilhão, possuindo atuação em outras unidades da federação, e exemplo do Rio de Janeiro.

Os mandados estão sendo cumpridos pelo Gaeco/MPPB, com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI) do Ministério Público do Rio de Janeiro, nos municípios de João Pessoa, Sousa e Santa Cruz, nesse Estado, e no Estado do Rio de Janeiro.

Maiores esclarecimentos serão disponibilizados pelo Ministério Público da Paraíba depois da conclusão das diligências e análise do material recebido.

Repórter PB

Destaques