Estado

Hospital Metropolitano atende pacientes pelo Sistema de Regulação

Os pacientes assistidos na unidade de saúde são regulados pela Secretaria de Estado da Saúde junto aos municípios paraibanos.

Referência em alta complexidade nas patologias cardíacas e neurológicas, adulto e infantil no Estado, o Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, em um ano e meio de funcionamento já atendeu pacientes de todos os municípios do Estado da Paraíba que tinham uma carência assistencial no que se refere ao atendimento de alta complexidade nas doenças ligadas ao coração e cérebro. Os pacientes assistidos na unidade de saúde são regulados pela Secretaria de Estado da Saúde junto aos municípios paraibanos.

De acordo com Daina Souza, coordenadora do Núcleo Interno de Regulação (NIR), do Metropolitano, a Regulação é requisito base para o atendimento na unidade. “Por meio da regulação identificamos se a patologia de um paciente se adequa ao nosso perfil de atendimento. Estando ele em outra unidade de saúde, a solicitação para transferência ocorre via e-mail, pelo setor responsável da instituição. No caso daqueles que precisam de atendimento ambulatorial, para realização de exames ou consultas, o agendamento é feito pelo Sisreg (Sistema de Regulação)” esclareceu.

Daina Souza acrescentou ainda que a atividade regulatória é fundamental para o fluxo hospitalar e bom atendimento. “A regulação visa melhorar o gerenciamento hospitalar, objetivando uma assistência humanizada dos serviços, um maior controle do fluxo e também a otimização na utilização dos recursos. Essa prática objetiva fazer com que as pessoas que necessitam de atendimento cheguem o quanto antes para início do tratamento” pontuou.

Segundo o secretário-executivo de gestão de rede de unidades de saúde, Daniel Beltrammi, o Hospital Metropolitano é um componente estratégico na Saúde do Estado. “O Metropolitano cumpre um papel decisivo na Rede Hospitalar, posto que permite ao Estado da Paraíba ter plenas capacidades de resposta em procedimentos de alta complexidade, uma vez que conta com o que há de mais efetivo em infraestrutura hospitalar e capacidades humanas em saúde. A atividade regulatória que permite o acesso ao Hospital, visa promover um tempo mais oportuno, ou seja, fazer com que as pessoas que necessitam do atendimento especializado, cheguem até os serviços o quanto antes” destacou.

Para o diretor-geral da instituição, Antônio Pedrosa, a unidade de saúde visa tornar-se referência no Nordeste, desempenhando seus trabalhos, norteados pela responsabilidade e humanização. “Somos um hospital de referência no Estado e nossa meta é nos tornarmos uma referência regional no tratamento dessas patologias. Já recebemos um reconhecimento por parte do ministro da saúde, ao habilitar 30 leitos das nossas UTIs. Esse é um importante passo dentro da nossa projeção. Seguiremos desempenhando nossas atividades e prestação do melhor serviço a população que dele necessita, a fim de consolidar-se como uma unidade de referência cardíaca e neurológica regional” concluiu.

Perfil - O Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires tem em funcionamento 135 leitos, destes 40 leitos de UTI (adulto e pediátrico) e 5 salas de cirurgia, além de um moderno Centro de Diagnóstico por Imagem. A unidade de saúde possui heliponto com 40 metros quadrados e capacidade para receber todos os modelos de helicópteros comerciais.

Repórter PB

Destaques