nota oficial

FCDL/PB emite Nota de repúdio aos Atos de Vandalismo praticados contra o Comércio de Campina Grande

Aos lojistas e empresários campinenses atingidos pelas investidas covardes dos vândalos travestidos de manifestantes, externamos nossa irrestrita solidariedade

A FEDERAÇÃO DAS CÂMARAS DE DIRIGENTES LOJISTAS DO ESTADO DA PARAÍBA – FCDL/PB tomou conhecimento, através da imprensa paraibana e de uma nota emitida pela CDL de Campina Grande, que durante manifestações e protestos atinentes à greve geral realizada no dia de hoje, 14.06.2019 – sexta-feira, vários comerciantes daquela cidade foram vítimas da ação de vândalos travestidos de grevistas, os quais incitaram os manifestantes a invadir as lojas e saquear produtos, além da prática de atos de violência como ameaça, intimidação e depredação das lojas, caracterizando crime de DANO com a qualificadora da violência inserta no inciso I do parágrafo único do art. 163 do Código Penal, cumulado com formação de quadrilha diante da atuação organizada e orquestrada com a qual se dirigiram os meliantes contra o comércio campinense.


Dos blogs locais, mais precisamente na notícia extraída do link - https://antv.news/2019/06/exclusivo-lider-de-movimento-manda-grevistas-invadirem-loja-de-roupa-no-centro-de-campina-veja-o-video/ - extrai-se que ”um dos lideres do movimento grevista de Campina Grande, que não foi identificado pela nossa produção, utilizou um carro de som para incentivar que um grupo de manifestantes invadissem uma famosa loja de roupas no centro da cidade na manhã dessa sexta-feira”, continua a reportagem ainda dizendo “o sindicalista grita em alto e bom som. ‘Pessoal, se ele insistir em manter aberta, cada um entra na loja e pega uma camisa. Vamos lá. Eu quero uma quadriculada pra mim brincar o São João’.(...) Em seguida, ele continua falando. ‘Bora Sofia, bora Sofia, vai pra lá fechar a Rutra. Sofia pega uma camisa para mim’. Finaliza. Em seguida o proprietário da loja baixa as portas e o movimento sobe a Venâncio Neiva”.


A narrativa contida no site não é de um manifesto democrático, é de um ato de um Estado de Exceção, um verdadeiro absurdo. Ora, qual é a atitude democrática em reunir algumas dezenas de pessoas, mediante coordenação de um carro de som e incitar essas pessoas a agirem como abutres e vândalos a adentrar e saquear uma loja privada???


O pluralismo político e de ideia é um dos fundamentos do Estado Democrático de direito, o homem comum deve ser educado domesticamente, desde a sua infância, a saber conviver harmonicamente com aqueles que pensam diferente, isso é basilar para o convívio social, até mesmo porque é de se ter em mente os ensinamentos do seguinte provérbio popular: “Seu direito acaba quanto começa o do outro”.


Esse provérbio é pródigo em ensinamentos democráticos, pois se o manifestante tem o direito de fazer a greve e protestos, o cidadão comum tem o direito de não aderir e de ter garantido o seu direito de circulação.


O que não se admite é um movimento como o de hoje estar sendo utilizado para fazer a população refém de interesses que atendam apenas a determinados segmentos e partidos políticos, pouco importando com os prejuízos causados ao dia a dia dos demais cidadãos, onde um grupo de vândalos que incitam às pessoas ao ódio tentam impor a vontade de uma minoria sobre a vontade de uma esmagadora maioria. Existem formas mais modernas das pessoas colocarem seus posicionamentos sem atrapalhar a vida de quem não se interessa por esses tipos de protestos.


Ademais, a ação dos manifestantes só expõe aquilo que já sabemos, qual seja: QUE A ADESÃO DOS MANIFESTANTES NÃO É ESPONTÂNEA. Eles simplesmente não permitem que lojas abram e que o comércio siga seu fluxo normal.


Qual o mal causado à manifestação com o fato do comércio do centro de Campina Grande ter ficado aberto no dia de hoje? NENHUM!!!
Ademais, deve ficar registrado a omissão da Polícia Militar no caso em apreço. A CDL de Campina Grande encaminhou expediente ao Comando da Polícia Militar do Estado da Paraíba no dia de ontem pedindo o reforço da segurança na área do Centro da Cidade, de modo a possibilitar que o comércio funcionasse normalmente, contudo, durante toda a manifestação, segundo informação da própria CDL, não se viu um único Policial no entorno da área comercial, o que contribuiu de sobremaneira para os prejuízos experimentados pelos lojistas e trabalhadores que optaram por não aderir às manifestações.


Em que pese entender ser legítimo, a FCDL/PB não apoia movimentos não espontâneos, partidários e que busquem paralisar todo o comércio, com realização de passeatas e protestos que importam no fechamento de ruas e vias de acesso, afetando o direito de ir e vir de toda a população.


A FCDL/PB sempre se colocou e continuará se colocando ao lado dos empresários paraibanos, por entender que os mesmos são empreendedores persistentes, pois mesmo enfrentando a alta carga tributária nacional, têm o desafio cotidiano de se reinventar e se descobrir em um cenário contumaz de crise, o qual se agrava com atos como o de ontem.


Aos lojistas e empresários campinenses atingidos pelas investidas covardes dos vândalos travestidos de manifestantes, externamos nossa irrestrita solidariedade, deixando claro, desde já, que cobraremos explicações da Polícia Militar Estadual acerca de sua omissão, bem como, da Secretaria de segurança pública para que seja designada uma frente investigativa para identificar os arruaceiros que depredaram o patrimônio alheio e orquestraram tais fatos criminosos.


Rogamos a Deus por dias melhores.


João Pessoa, 14 de junho de 2019.

José Lopes da Silva Neto
Presidente FCDL/PB

Repórter PB

Destaques