homenagem

Vice-prefeita de Vieirópolis escreve homenagem a Dona Maria de Fátima, irmã de prefeito Municipal

Neste momento de dor, elevamos nossas preces a Deus para que acolha sua filha amada e conforte o seu esposo, seus filhos, todos os seus familiares e amigos por essa perda irreparável

Recebemos com grande pesar a notícia da morte de Maria Fátima Aristóteles Oliveira, a nossa querida Fatima de Chico de Raimundo João como era carinhosamente chamada, ocorrido de forma inesperada na manhã desta sexta feria, 29.

Neste momento de dor, elevamos nossas preces a Deus para que acolha sua filha amada e conforte o seu esposo, seus filhos, todos os seus familiares e amigos por essa perda irreparável.

Por mais difícil que esteja sendo este momento, a vida nos ensina a dizer adeus às pessoas que amamos, sem tirá-la do nosso coração. O que fica eternizado os carinhos trocados, os sorrisos compartilhados, os abraços dados e o amor testemunhado. A vida nos ensina a sentir a dor do adeus, reconhecendo a dádiva da memória, que a “saudade eterniza a presença de quem se foi. Com o tempo está dor se aquieta, se transforma em silêncio que espera, pelos braços da vida, um dia reencontrar,” e que não existe partida para aqueles que permanecerão eternamente em nossos corações.

Desejamos que Deus conforte a família enlutada em especial, seu irmão prefeito Célio Aristóteles, com o qual nos solidarizamos nesse momento de profunda dor e saudade.

Sempre com um sorriso, Fátima trazia um frescor, brilho e boas práticas com o padrão de integridade, humildade, humanização e sororidade.
Nossos corações estão unidos nesta hora de dor, pouco pode ser dito, palavras nos faltam, o que podemos fazer, rezar para os seus familiares e para que ela descanse em paz e encontre a luz eterna.

Lembremos de Fátima com amor e carinho, e por isso, nos reportamos a oração de Santo Agostinho:

“A morte não é nada. Eu somente passei para o outro lado do Caminho.
Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês, eu continuarei sendo.
Me deem o nome
que vocês sempre me deram,
falem comigo
como vocês sempre fizeram.
Vocês continuam vivendo
no mundo das criaturas, eu estou vivendo
no mundo do Criador.
Não utilizem um tom solene ou triste, continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos.
Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.
Que meu nome seja pronunciado
como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra ou tristeza.
A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora de seus pensamentos, agora que estou apenas fora de suas vistas?
Eu não estou longe, apenas estou
do outro lado do Caminho…
Você que aí ficou, siga em frente, a vida continua, linda e bela como sempre foi.”

Santo Agostinho

Respeitosamente prestamos nossas condolências e os nossos mais sinceros pêsames.

Dr. Marcos Pereira, Kátia Maria e família

Repórter PB

Destaques