Procedimento

Hospital Metropolitano oferece Serviço de Cirurgia Endovascular e supre vazio assistencial no estado

O procedimento visa preservar os membros inferiores do paciente, evitando as possíveis amputações

O Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires passou a oferecer o Serviço de Cirurgia Endovascular nesta quarta-feira (20), com uma angioplastia periférica de artéria femoral realizada com sucesso, em uma paciente de 76 anos. O procedimento visa preservar os membros inferiores do paciente, evitando as possíveis amputações.

De acordo com o médico responsável pelo procedimento, o radiologista intervencionista Luiz Gustavo Barros, a paciente, de 76 anos, queixava-se de dor nos dois membros inferiores há mais de um ano. “Dona Maria José vinha apresentando, além das dores, um quadro de cianose (um sinal ou sintoma marcado pela coloração azul-arroxeada da pele), com risco de perda de membros. Estava em tratamento clínico apenas com uso de analgésicos e aguardava angioplastia periférica de membro inferior, que pôde ser realizado com sucesso por nossa equipe, hoje”, pontuou o cirurgião.

Para Maria Betânia Oliveira, filha da paciente, o momento final da cirurgia foi de grande alegria. “Eu já venho acompanhando as idas e vindas da minha mãe ao médico por muito tempo. Ela toma medicamentos pra dor todos os dias, e são dores fortes. Tínhamos medo dela ficar sem andar, mas eu acredito que a equipe que realizou a cirurgia fez um bom trabalho. Eu não sabia que ela era a primeira a fazer esse procedimento aqui. Quando o médico me disse que já estava tudo bem com ela e que foi um sucesso, eu só fiz agradecer, e agradeço a todos que fazem o melhor por nós nesse hospital”, declarou emocionada.

Para que se crie um serviço de cirurgia endovascular é necessário uma série de equipamentos com alta tecnologia em medicina, explicou o diretor geral, Antônio Pedrosa, acrescentando que a unidade de saúde dispõe de todo aparato necessário no Centro de Diagnóstico por Imagem. “Aqui temos um aparelho de hemodinâmica de última ponta e nesse aparelho o cirurgião vascular atua na desobstrução das artérias periféricas comprometidas através de um procedimento chamado angioplastia. Então há realmente a necessidade de um grande investimento na área de tecnologia e isso dispomos aqui em nosso Hospital. Ficamos felizes em demonstrar que é possível criar um serviço de SUS com excelência à serviço da população”, afirmou.

O secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros, ressaltou a importância do serviço realizado no Hospital Metropolitano. “O Governo do Estado está suprindo um vazio assistencial existente na Paraíba há 50 anos, através do Hospital Metropolitano. O paraibano pobre não conseguia realizar procedimentos endovasculares e cirurgia de revascularização periférica por isquemia crítica com agilidade, determinando amputações evitáveis. A partir de agora, esse serviço está à disposição, para melhor qualidade de vida dos paraibanos”, concluiu o secretário.

A equipe atuante no procedimento foi composta pelo cirurgião Luiz Gustavo Barros, radiologista intervencionista; Dayanna de Lima, instrumentadora; Jacideane de Sousa, circulante; Anderson Antônio e Fernanda Silva, enfermeiros; Alequison Valério, técnico de enfermagem; Chiara Luana, coordenadora de enfermagem; Paulo Barbosa e Gilklivan Barros, técnicos de. radiologia, e José Lins Sales, maqueiro.

Repórter PB

Destaques