Violência

Papa alerta sobre situação na Terra Santa: "guerra chama guerra"

Francisco admitiu estar "muito preocupado e entristecido"

Após o massacre em Gaza durante os conflitos entre palestinos e o Exército de Israel, no qual morreram pelo menos 60 pessoas, o papa Francisco expressou nesta quarta-feira (16) "muita preocupação" com a "espiral de violência" na Terra Santa.

"Estou muito preocupado e entristecido pela escalada das tensões na Terra Santa e no Oriente Médio e pela espiral de violência que afasta cada vez mais o caminho da paz, do diálogo e das negociações", disse Jorge Mario Bergoglio durante sua audiência geral.

Francisco ainda prestou condolências a todos os mortos e feridos e disse estar "próximo pela oração e o afeto a todos os que sofrem". De acordo com o Pontífice, "jamais o uso da violência levará à paz", porque a "guerra chama guerra, a violência chama a violência".

Na última segunda-feira (14), o Exército de Israel matou pelo menos 60 pessoas e deixou 2,5 mil feridos durante os protestos dos palestinos que coincidiu com a data da inauguração da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém.

Durante a audiência desta quarta, o Papa ainda fez um apelo a todos os envolvidos nos confrontos e à comunidade internacional para "renovarem o empenho para prevalecer o diálogo, a justiça e a paz".

Por fim, o líder da Igreja Católica desejou sua "felicitação cordial" aos muçulmanos por ocasião do Ramadã, que teve início na noite de ontem(15). "[Espero que] este tempo privilegiado de oração e de jejum ajude a caminhar pelo caminho de Deus, que é o caminho da paz". (ANSA)

Repórter PB

Destaques