Projetos

Equipe do Sesi conquista três prêmios na feira brasileira jovens cientistas

O SESI da Paraíba tem estimulado os alunos a despertarem o interesse pela iniciação científica viabilizando a participação deles em eventos e feiras científicas.

Dos cinco projetos finalistas das escolas da Rede SESI da Paraíba enviados para a Feira Brasileira Jovens Cientistas, que aconteceu no último fim de semana, por meio de plataformas digitais, três foram premiados.

Os projetos vencedores foram: “Potencializando o Bagaço da Cana de Açúcar: Um Estudo Exploratório”, desenvolvido pelas alunas Ana Letícia Tenório Ferreira de Souza e Ana Flávia Paganini Francisco e que conquistou o 2º lugar no Prêmio LeviThai de Sustentabilidade; “Meu Corpo não é Público: Concepção dos Estudantes do Ensino Médio sobre Violência Contra a Mulher”, que conquistou o 2º lugar na categoria de Excelência de Inovação InnovaLab e o 3º lugar numa premiação na área de Ciências Humanas. O trabalho foi desenvolvido pelas alunas Ellen Caroline Fernandes da Silva e Maria Clara dos Santos da Silva; e o 3º lugar no Prêmio de Excelência de Inovação InnovaLab com o projeto “Utilização das cascas de ovos para produção de pasta de Citrato de Cálcio”, desenvolvido pelos alunos Alice Barros da Silva e Vinícius Gonçalves Almeida.

Os três projetos premiados foram desenvolvidos na Escola SESI Prata, de Campina Grande, orientados por Eduardo Adelino Ferreira e com coorientação de Alexsandra Sousa Santos.

A Feira Brasileira Jovens Cientistas é a primeira feira científica para pré-universitários, o objetivo é propagar a pesquisa e incentivar o desenvolvimento de projetos científicos em escolas públicas, privadas e institutos. Nesta edição 284 projetos foram finalistas, sendo cinco do SESI Paraíba. Além disso, o evento contou com a participação de mais de 700 estudantes de todo o Brasil, e 204 projetos foram premiados.

SOBRE OS PROJETOS

“Potencializando o Bagaço da Cana de Açúcar: Um Estudo Exploratório” é uma pesquisa que consiste no desenvolvimento de tapetes higiênicos para pets, a partir da utilização da biomassa vegetal, garantindo a organização e limpeza, oferecendo conforto aos animais de estimação, moradores e visitantes, evitando vazamentos, neutralizando o odor da urina e preservando a saúde do animal.

Já o projeto “Meu Corpo não é Público: Concepção dos Estudantes do Ensino Médio sobre Violência Contra a Mulher”, tem como objetivo investigar as concepções prévias dos estudantes sobre violência contra mulheres, de uma turma de 1ª Série do Ensino Médio em uma escola de ensino básico do município de Campina Grande- PB.

Com relação ao projeto “Utilização das cascas de ovos para produção de pasta de Citrato de Cálcio”, o projeto foi desenvolvido para a mostra de Iniciação Científica – MIC do SESI. O trabalho foi feito em várias etapas que incluiu uma pesquisa de campo de cunho exploratório, onde o público alvo foi às colaboradoras do Centro de Atividades do SESI, João Rique Ferreira, em Campina Grande - PB, onde o quadro funcional é 70% composto por mulheres. Inicialmente, foi realizado um levantamento bibliográfico sobre o tema, em seguida aplicou-se um questionário estruturado com 14 itens, com objetivo de sondar os hábitos alimentares das mulheres envolvidas, bem como, o perfil socioeconômico delas.

Após uma análise dos dados utilizando um referencial teórico e categorizado foi verificado que entre as mulheres que apresentavam maior incidência de doenças ósseas, possuíam baixa ingestão de alimentos ricos em cálcio. A partir da constatação, a equipe criou a pasta de citrato a partir das cascas de ovos de galinha para ser utilizado na suplementação alternativa delas, e ainda realizou palestras para conscientizá-las sobre o consumo e modo de preparo do produto para que as colaboradoras pudessem inserir o citrato de cálcio no cardápio delas.

O SESI da Paraíba tem estimulado os alunos a despertarem o interesse pela iniciação científica viabilizando a participação deles em eventos e feiras científicas.

Assessoria de Comunicação

Repórter PB

Destaques