E o voto divergente da Vereador Bruna Veras; Qual o papel da Oposição em Sousa?

Entretanto como foi entendido esse posicionamento da Vereadora Bruna por alguns analistas políticos sousenses?

Quem estava na solenidade de posse dos novos vereadores, e reeleitos na eleição passada no Poder Legislativo Sousense nesta sexta-feira (01) pôde perceber algo divergente na bancada oposicionista, entre seus quatro membros.


A coisa foi revela na hora na eleição da mesa diretora, tendo como chapa única, Radamés Estrela para presidente, biênio 2021/22.


O primeiro da bancada oposicionista a votar foi o Vereador Caca Gadelha (PSC).


- Eu voto no Vereador Radamés por ser um democrata. Se a oposição tivesse com certeza número suficiente, nós iriamos com certeza disputar com vossa excelência. Jamais quatro vai ganhar de onze. Respeitando a vontade popular do povo sousense que deu a vossa excelência 3.008 votos. Não é fácil se eleger vereador imagine a quantidade de votos que vossa excelência tirou na outra eleição em 2016, e vossa excelência não repetiu, aumentou...voto em vossa excelência. Espero que a vossa excelência tire todos os votos para que possa entrar no curriculum de vossa excelência. Muito obrigado, discursou Cacá.


Logo em seguida em uma fala praticamente monossílaba, o Vereador Allan de Basto (PP) disse: “voto em favor do presidente”. Seguindo a mesma tendência, o Vereador “Pipoca” (PP): “Voto em Radamés Estrela”.


O voto divergente e justificado partiu da representante feminina no Legislativo Mirim, Vereadora reeleita oposicionista, Bruna Veras (PSC).


- Essa eleição teria tudo para ser unanimidade. Vossa excelência sabe disto. Tive a oportunidade de conversar pessoalmente com vossa excelência. A gente vive um período em que a minoria deve, e pode ser representada. Isso é inerente a democracia. Eu tive a oportunidade de externar meu pensamento a Vossa Excelência, e também tive a oportunidade de externar meu pensamento que era na formação da mesa diretora da Câmara de Sousa termos a construção de uma mesa eclética. Meu pensamento era esse. Liberdade de pensamento é a âncora da democracia. Então baseado neste pensamento de achar a necessidade de uma mesa eclética, uma vez que nós somos minoria...vou divergir dos nossos colegas de oposição...e vou votar nulo nesta eleição da mesa, vereador Radamés, discursou Bruna Veras.


Radamés Estrela ao ouvir o pronunciamento da Colega, apenas agradeceu: “Muito obrigado, Vereadora Bruna Veras”.


Entretanto como foi entendido esse posicionamento da Vereadora Bruna por alguns analistas políticos sousenses?


A oposição estar mesmo muito frágil neste momento após a derrota no dia 15 de novembro passado. As lideranças maiores das oposições, o que transparece de forma pública deixaram aos chacais seus comandados. Nesta floresta escura, aparentemente sem luz no final do túnel neste instante, surge aquela velha máxima: “Cada qual, que se vire nos trinta”. É visível que falta comando de voz, altivez, liderança para aglutinar poderes, regimentar, coordenar, e reorganizar para as próximas batalhas. Olha só a deixar da reclamação da Vereadora Bruna Veras que “teriam que respeitar a minoria”.  Mas essa minoria expõe ainda mais suas fraquezas em público, revela versões, e histórias que todos já conhecem.


A grande pergunta hoje feita pelos observadores políticos sousense é bem óbvia: “Quando é mesmo que vai aparecer essa voz de comando nestas oposições?”
- A fratura estar exposta de mais. É melhor cuidar para não acontecer uma amputação completa. Tratar, vigiar, zelar, mimar, perdoar, encontrar caminhos, rever conceitos, podem ser alguns remédios, e fórmulas para uma ressureição futura. Quem será o primeiro a ter humildade para iniciar a jornada?


 Por enquanto fiquemos com essa frase do Vereador Caca Gadelha: “Não é fácil se eleger vereador”. E a Prefeito?



Tenho Dito


Pereira Jr.


Analista Político, e Editor Chefe do Portal REPORTERPB

Destaques