cagepa

Diretor do DAESA questiona problemas que levam a falta de água em Sousa; População pede providências

O Diretor do DAESA, Inojosa Segundo Neto, revelou que “para a surpresa e infelicidade, fato desta natureza não vem ocorrendo de hoje. Já ocorre há três, ou quatro meses atrás”

Sousa amanheceu sem água nesta terça-feira (22), principalmente no Setor I, e a reclamação da população é vertente pelo fato deste problema ser contumaz, o que ocorre muito transtorno.

O Diretor do DAESA, Inojosa Primeiro Neto, revelou que “para a surpresa e infelicidade, fato desta natureza não vem ocorrendo de hoje. Já ocorre há três, ou quatro meses atrás”.

Há 40 dias quando aconteceu uma quebra de equipamentos na ETA – Estação de Tratamento de Água em São Gonçalo o que causou um desabastecimento quase que total do sistema, a população entendeu o problema.

- Eu que trabalhei na CAGEPA por quase sete anos, sei que isso acontece, é normal, e pode acontecer. Mas o que é não normal é uma Empresa do porte da CAGEPA, com o nome na Paraíba ela não divulgar uma Nota do que estar acontecendo. Ela simplesmente silencia. Então a culpa é do DAESA, disse Inojosa.

Outra questão levantada pelo Diretor do DAESA foi que há três semanas, outros problemas aconteceram em São Gonçalo. Segundo Inojosa, a justificativa da CAGEPA foi que o “Operador dormiu”. A semana passada aconteceu novamente, e mais uma vez a justificativa da CAGEPA em Sousa foi que o “Operador se atrapalhou com os horários”.

- Hoje com o Sistema controlado no setor I totalmente abastecido, apenas as partes altas a serem completadas, acontece isso: de uma hora para outra, uma parada na Estação de Tratamento, aonde nem o subgerente de operação da CAGEPA tinha conhecimento. O subgerente administrativo não tinha conhecimento, enfatizou.

Conforme as declarações de Inojosa Primeiro Neto para a surpresa ainda da população sousense uma reportagem aonde foi gravada por uma TV há 36 dias em relação as essas problemáticas que ocorreram com a queda dos equipamentos, a TV fez pontos de coletas de informação em vários Bairros, é exibida como se os acontecimentos ocorressem hoje, reclamou, o que levou a comunidade pensar que foi de propósito.

Há muito tempo que a população sousense vem sentido os efeitos da falta de água nos bairros. O Açude de São Gonçalo se encontra com mais de 18 milhões de metros cúbicos, porém fora de racionamento, mas o município vive em rodizio de abastecimento do precioso liquidado.

A população vive usando a Imprensa local para reclamar desta problemática toda. Há suspeita de jogo de vaidade entre a CAGEPA e DAESA, cuja situação prejudica diretamente a população sousense.

Será preciso que o Ministério Público investigue essa situação? A população precisa de resposta, e pode sofrer com tudo isso. Água em São Gonçalo tem. O que falta é o sistema entregar o precioso liquido nas torneiras.

Repórter PB

Destaques