Estado

Reunião de Creas Regionais discute melhorias dos serviços ofertados à população

Os Creas são unidades da Assistência Social responsáveis por atender famílias e pessoas em situação de risco social ou violação de direitos.

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano (Sedh), reuniu nesta quinta-feira (10) os coordenadores dos 26 Centros de Referência Especializado da Assistência Social (Creas) pólos Regionais. A reunião trimestral teve o objetivo de monitorar os serviços ofertados pelos Creas Regionais, mediante as necessidades técnicas e administrativas apresentadas, por meio do Registro Mensal de Atendimento (RMA) e pelo monitoramento in loco executado ao longo dos três meses anteriores.

Os Creas são unidades da Assistência Social responsáveis por atender famílias e pessoas em situação de risco social ou violação de direitos. Na Paraíba, os 26 Creas pólos Regionais geridos pelo Governo Estadual, com seus vinculados, atendem 152 municípios.

A coordenadora estadual da Média Complexidade, Katiana Cavalcante dos Santos, destacou a importância da reunião para dialogar sobre os entraves, desafios e potencialidades, podendo assim contribuir com os processos dos trabalhos nos territórios.

O Programa Integrado Patrulha Maria da Penha, da PM-PB, foi apresentado durante a reunião e tem a proposta de acompanhar a fiscalização das medidas protetivas. Em ação desde o dia 7 de agosto deste ano, o programa executa sua primeira parte, atuando na primeira Região Integrada de Segurança Pública, que abrange 27 municípios das regiões Metropolitana, Litoral sul e Litoral norte do estado.

Segundo a capitã Dayana Cruz, da coordenadoria do Programa Patrulha Maria da Penha, os Creas têm sido parceiros no trabalho do Programa. “Todas as pessoas que estão envolvidas na rede de proteção às mulheres, e que podem identificar essas violências fazem parte dessa rede de encaminhamentos de casos para nós. Os Creas e também os Cras são uma porta de acesso para o programa”, explicou.

Sobre o programa a capitã Dayana explicou ainda que a mulher é acompanhada de forma integral através de uma equipe multidisciplinar, e também na parte policial, com ronda nas proximidades dos locais onde ela indica. “Esse acompanhamento é iniciado a partir do momento em que ela solicita essa medida. Ou seja, na delegacia é ofertada à mulher a Patrulha Maria da Penha e após o registro de ocorrência e a solicitação da medida protetiva a informação chega pra nós. Até a data de hoje, a Patrulha acompanha integralmente 58 mulheres. É importante lembrar que o acompanhamento é voluntário, e a mulher pode se desligar a qualquer momento, sem que isso interfira na medida protetiva em si”, completou.

A reunião trimestral de monitoramento do Creas Regionais teve ainda a apresentação da Gerência Operacional de Alta Complexidade sobre o Plano de Regionalização dos Serviços da Alta Complexidade; a Gerência Sinase, sobre os Planos Municipais de Atendimento Socioeducativo; a Vigilância Socioassistencial, sobre o cadastro SUAS e a diretora do Sistema Único de Assistencia Social, Jaciana Magalhães, que explanou sobre o monitoramento in loco de julho e agosto de 2019.

Repórter PB

Destaques