Formação Cidadã

Socioeducandos da Semiliberdade participam de palestra sobre ações solidárias da PM

A Fundac e o Governo da Paraíba estão no caminho certo

Conhecer o trabalho de uma polícia solidária, amiga e preventiva. Este foi o intuito do Programa de Formação Cidadã, ao levar a palestra "Quebrando Paradigmas entre a Polícia e a Sociedade" para os socioeducandos da Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente (Fundac), que estão cumprindo medidas na Semiliberdade, durante a manhã desta quarta-feira (11).

Segundo o capitão da Polícia Militar da Paraíba, Luiz Alberto Silva de Sena, o objetivo da palestra foi dialogar com os jovens e apresentar uma Instituição com a quebra de paradigmas e trazer uma nova concepção de que a polícia tem um viés humano, social e educativo na ressocialização dos jovens e adolescentes, no cumprimento de medidas socioeducativas.

“Trazer a visão de uma polícia mais humana, mais próxima e que orienta os jovens no dia a dia, numa convivência social, pacífica e harmoniosa em uma sociedade constituída. Nossa perspectiva é desmistificar a ideia de uma polícia truculenta e mostrar que existe uma polícia humana que orienta e vive lado a lado com os desafios de uma sociedade contemporânea através de um breve relato sobre o Policiamento Comunitário e o Projeto Recomeçar desenvolvido em João Pessoa”, explicou o capitão Alberto Sena.

“Vamos falar um pouco das ações vivenciadas durante a implantação de projeto preventivo que buscou aproximar a comunidade da polícia como forma de combater à criminalidade e mostrar, através de vídeos, a presença policial dentro de uma comunidade de forma efetiva que fez reduzir os problemas sociais e de segurança pública local”, disse o capitão Alberto Sena durante a palestra.

“Este foi um momento de aproximação entre a socioeducação e a polícia, uma maneira de modificar a visão repressora que os socioeducandos têm desses profissionais que buscam respeitar o limite do direito de cada um, e que além do lado social, e humano, são representados por homens e mulheres que têm famílias e sentimentos”, comentou o diretor da Semiliberdade, Davi Lira.

“Precisamos ter a ciência de que quando se infringir a lei você vai ter que responder a ela e que a sociedade sem ordem é uma sociedade caótica. As pessoas de bem devem andar ao lado da polícia e acreditar no trabalho que ela executa”, acrescentou o diretor da Semiliberdade, agradecendo ao capitão Alberto Sena por atender ao pedido da Unidade para essa construção de valores e quebra de paradigmas.

“Tivemos um momento muito marcante na Semiliberdade. Deus tem proporcionado a esses jovens experiências incríveis e que junto com o projeto de vida deles irão encontrar razões para recomeçar. A Fundac e o Governo da Paraíba estão no caminho certo. Obrigado a todos que diretamente ou indiretamente se dispõem a ajudar. A realização do Programa de Formação só está sendo possível porque temos profissionais totalmente capacitados e mãos que se unem”, disse Anderson Brandão, coordenador do Programa de Formação Cidadã da Semiliberdade.

Além de 10 socioeducandos da Semiliberdade, participaram da Palestra, assistiram a vídeos de intervenções feitas pela PM e debateram sobre o tema com o facilitador Capitão Alberto Sena, a professora Dhyan Urshita; o agente socioeducativo Elinaldo Vicente; o diretor Davi Lira; o vice-diretor Wellington Fernandes; o coordenador Anderson Brandão; a funcionária Aline de Jesus e o soldado da PM, Agostinho. “Foi uma atividade de extrema importância, tanto para nós, como para os socioeducandos porque mostrou o trabalho humanizado que a polícia vem tentando executar no estado da Paraíba”, comentou Dhyan Urshita.

Repórter PB

Destaques