Reconhecimento

Valdivia revela ver vídeos seus no Palmeiras e expressa gratidão por torcida e clube

Valdivia também falou que acredita existir uma relação maior de carinho em relação ao torcedor do que de ódio e que qualquer atleta gostaria de atuar no Palmeiras hoje.

O meia Valdivia nunca escondeu de ninguém que os melhores momentos de sua carreira aconteceram quando jogava no Palmeiras. Foi pelo Verdão que o chileno ficou conhecido e se sentiu mais valorizado como jogador. Assim, enquanto os campeonatos estão suspensos por conta da pandemia do coronavírus, o atleta afirmou ocupar o tempo assistindo a vídeos de sua época no Palestra.

“Vi a campanha do Campeonato Paulista de 2008 no YouTube. Lógico que é legal rever os jogos, aqueles títulos que a torcida vibrou muito, o antigo Palestra que é, para mim, o melhor de todos, muito legal, pequeno. Você sentia o ambiente. Era complicado quando a torcida vibrava e o time correspondia. Então vejo vídeos e gols para relembrar os bons momentos que tive no Palmeiras e me deixa feliz ter esse reconhecimento com a torcida”, declarou o chileno em entrevista à Fox Sports no último sábado.

Valdivia também falou que acredita existir uma relação maior de carinho em relação ao torcedor do que de ódio e que qualquer atleta gostaria de atuar no Palmeiras hoje. “Somando aqui, tirando dali, no final, eu, pelo menos, sinto que é mais carinho e respeito que a torcida tem do que ódio. Porque eu fiquei em um momento difícil do clube, disputando a Série B. Tiveram jogadores e treinadores que saíram quando o time caiu. Na época, conversei com o Marcos em relação a decidir o que fazer e ele disse que ficar para disputar a Série B me levaria a outra categoria”, destacou.

“Qualquer jogador queria jogar nessa fase do Palmeiras. Difícil era naquela outra fase, em que tínhamos que ganhar para não cair para a Série B. Em 2014, joguei contra o Athletico-PR com a perna toda estourada. Tomei infiltração e, depois do jogo, tive uma abertura de perna de 20 cm. Um exame mostrou que estava rompido do tornozelo até o púbis. Por isso, no final das contas, sinto que o torcedor tem mais carinho e respeito do que ódio”, completou.

Em suas duas passagens pelo Verdão (2006-2008 e 2010-2015), o meia conquistou o Campeonato Paulista de 2008, a Copa do Brasil de 2012 e a Série B de 2013. Além disso, ganhou reconhecimento por sua carreira profissional. Dessa forma, por esses e outros motivos, Valdivia disse ser grato pelo que o clube e a torcida proporcionaram a ele.

“Falar em uma palavra o que significa o Palmeiras para mim é difícil, porque vivi muitas coisas no clube. Estive aqui embaixo e lá em cima, mas, no final das contas, é mais carinho, respeito, paixão e amor que sinto da torcida do Palmeiras por mim. Sempre falo que os melhores anos da minha vida no futebol eu vivi no Palmeiras. O Palmeiras fez com que eu pudesse ser conhecido internacionalmente. São poucos os jogadores chilenos que são ganhadores fora do próprio país, e eu sou um deles. Tudo isso o Palmeiras me deu. Vou ser sempre grato”.

O atleta ainda reiterou seu desejo de voltar ao Palestra e revelou que gostaria de ser mais lembrado pelo alviverde. “É lógico que quero voltar. Gostaria muito de, um dia, voltar para, pelo menos, assistir a um jogo como convidado. Nunca sou lembrado em nada, nunca sou citado. Se tiverem problema comigo, podem ligar, mandar mensagem. Pelos sete anos que passei lá, gostaria de, um dia, ser lembrado nas redes sociais do clube, com um parabéns, feliz aniversário, um vídeo com jogada minha”, disse.

“Mas, independentemente de qualquer coisa, sou palmeirense. Não esqueçam isso, sou palmeirense tanto quanto eles. Só tenho a agradecer a torcida, por aquilo que foi e o que ainda é. Sou feliz só em ver o Palmeiras, no fim do ano ou de um campeonato, aparecendo ali ‘campeão’. Sou eternamente agradecido e feliz por fazer parte da história do Palmeiras”, concluiu.

Com Gazeta Esportiva

Repórter PB

Destaques