Lamentável

Grupo de torcedores do Botafogo cerca família de Marcão após jogo; filho é segurado pelo pescoço

Confusão ocorreu no estacionamento do Estádio Nilton Santos, depois da vitória do Fluminense sobre o Botafogo por 1 a 0, no último domingo: "Fico triste por isso", diz técnico

Familiares de Marcão sofreram um susto grande após a vitória do Fluminense por 1 a 0 sobre o Botafogo neste domingo, no Engenhão. Na saída do estádio, esposa, filho e sobrinho do treinador do Fluminense foram abordados por torcedores do Alvinegro, e um deles chegou a segurar Felipe (o filho) pelo pescoço. O ex-volante lamentou o episódio.



- Ficou tudo bem, não foi nada demais. Minha esposa deixou o carro no estacionamento e, na volta, teve que sair do estádio. Meu filho e meu sobrinho estavam passando na calçada, tinha uma aglomeração de torcedores do Botafogo. Meu filho e minha esposa estavam com a camisa do Fluminense, algumas pessoas não gostaram. Um torcedor questionou meu filho, o porquê de ele estar passando ali na calçada e pegou ele pelo pescoço - contou Marcão em entrevista exclusiva ao Globo Esporte.

A notícia da confusão foi publicada primeiro pelo site "NetFlu". Os agressores não sabiam que se tratavam de familiares de Marcão, que, por sua vez, vestiam a camisa do Fluminense no momento.

- Minhas esposa na mesma hora se colocou, disse que era filho dela, que eles só estavam passando por ali para pegar o carro. Mas os próprios torcedores do Botafogo se acalmaram e pediram para eles atravessarem - completou o treinador, minimizando.

- Foi um momento de tensão, de preocupação, todo mundo de cabeça quente. Mas não teve agressão, nem nada. Ficou aquele nervosismo, eles nunca tinham passado por isso. Mas no momento causa nervosismo. Graças a Deus ficou tudo bem - disse o treinador do Fluminense.

Marcão contou, por fim, que precisou acalmar a esposa Fabiana quando chegou em casa.

- Quando eu cheguei, ela estava nervosa. "O que houve?". Ela: "Aconteceu uma situação ruim" e me passou tudo. Meu filho estava mais calmo que ela (risos). Fico triste por isso, mas acho que o próprio pessoal do Botafogo viu que eram dois meninos. Eles não estavam frontando, era só o caminho, estavam passando para pegar o carro. Mas eles atravessaram, e ficou tudo bem. Graças a Deus não houve nada além - concluiu.

Globo Esporte.

Repórter PB

Destaques