Judô

Rafaela Silva alega contaminação em contato com criança: "Estou aqui para dar minha cara a tapa"

Em coletiva, judoca campeã olímpica fala sobre o doping nos Jogos Pan-Americanos. A atleta testou positivo para o uso da substância proibida fenoterol, que tem efeito broncodilatador

Flagrada em exame antidoping realizado durante os Jogos Pan-Americanos de Lima, em agosto, Rafaela Silva deu suas primeiras palavras sobre o caso. Na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), na Urca, na Zona Sul do Rio de Janeiro, em coletiva convocada pelo Instituto Reação, a judoca disse não ter feito o uso da substância de forma consciente.

"Nenhum atleta se prepara para um momento como esse. Estou aqui para dar a minha cara a tapa. Fiz os testes, estou limpa. É continuar treinando, competindo e provar minha inocência"

Campeã olímpica, mundial e pan-americana, Rafaela Silva testou positivo para a substância proibida fenoterol, que tem efeito broncodilatador e costuma ser usado em tratamento de doenças respiratórias, como a asma. O teste antidoping foi realizado no dia em que ela competiu e foi ouro no Pan, 9 de agosto.

- Eu dei positivo. Estamos estudando e avaliando a possibilidade da substância ter chegado ao meu corpo. Estou aqui para falar. Quisemos antecipar, mas não podíamos falar antes da audiência. Não tenho nada a esconder. Não tomo remédio, bebida alcoólica. Sempre tive cuidado, não pego garrafa de ninguém. Sempre tive muito cuidado. Estou na mira, no alvo da Wada desde que cheguei à seleção de judô, em 2010. Justamente por não fazer esse tipo de coisa. Já sabia há um tempo, mas não tinha nada concreto - comentou Rafa.

A suspeita dela, no entanto, é de que a contaminação possa ter acontecido a partir do contato recorrente com um bebê. Lara, de sete meses, é filha de outra judoca do Instituto Reação, Flávia Rodrigues, e faz uso de medicação contra asma. O contato com a criança teria acontecido 4 de agosto, cinco dias antes de ela testar positivo no Pan.

- Eu não faço uso dessa substância, não tenho asma, não tenho nada. Quando fiquei sabendo dessa notícia, fiquei pensando todos os dias o que eu tinha feito, o que podia ter acontecido. A única pessoa que fez uso dessa substância foi a Lara, que treina no Instituto Reação. Eu tenho mania de dar meu nariz para a criança chupar. Conforme ela vai chupando meu nariz, eu vou inalando as substâncias que ela manda para o meu corpo - comentou Rafaela.

A campeã olímpica soube da confirmação do teste positivo na véspera de disputar o Mundial de Judô, no Japão. Ela ganhou a medalha de bronze e fez um novo exame antidoping, que deu negativo.

- Competi depois, fiz exame e deu negativo. Continuei competindo, deu negativo. Acho que a história que a gente tem para contar é que, como falei, sempre tive muito cuidado por não querer passar por isso. Criança no colo, sempre dou o nariz para as crianças chuparem, e eu descobri que uma das crianças que eu fiz isso faz uso dessa substância. Então, pode ser um dos motivos - disse.

Como fica?

Advogado de Rafaela Silva, Bichara Neto confia na defesa que será feita diante do caso da judoca. O fenoterol não é uma substância proibida pela Wada, mas, sim, especificada. Ou seja: antes de qualquer suspensão, o atleta pode apresentar sua defesa em relação ao contato com a substância. Em 2016, às vésperas da Rio 2016, a nadadora Etiene Medeiros também foi flagrada no doping pelo uso da mesma substância. Na ocasião, ela acabou inocentada pelo STJD em primeira instância e competiu normalmente na Olimpíada. Na última quinta-feira, houve uma audiência com membros da organização dos Jogos Pan-Americanos. Na próxima semana, haverá uma definição se Rafa perderá o ouro conquistado em Lima.

- Tivemos uma audiência disciplinar com membros dos Jogos Pan-Americanos. Antecipamos essa defesa, a Rafaela não está suspensa. Como é uma substância especificada, a suspensão não é obrigatória. Ela está conseguindo mostrar uma versão que ela não teve culpa na contaminação - disse.

Como não está suspensa, Rafaela Silva seguirá treinando e competindo normalmente até o caso ser julgado pela Federação Internacional de Judô. Neste fim de semana, inclusive, ela viaja para competir um campeonato interclubes com o Instituto Reação. Rafa diz não ter pensado na hipótese de ficar fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio, no ano que vem.

- Eu ainda tenho algumas competições, como o Bichara falou. Não estou suspensa. Tenho o Grand Slam de Brasília, Mundial Militar, em outubro. World Master, com os melhores da temporada. São competições importantes, valem a classificação olímpica. Eu tenho 27 anos. Se acontecer o pior, não vou falar para você que eu posso treinar para 2024 porque sabemos como o judô é. Não passou pela minha cabeça ainda (ficar fora da Olimpíada). Não tenho nada a esconder, vou continuar competindo e provar a minha inocência – disse Rafa.

À frente do Instituto Reação, Flávio Canto disse que chegou a sugerir que Rafaela ficasse fora da competição com seu clube neste fim de semana.

- Eu conversei com ela, porque eu sei que vai ter um monte de gente em cima dela agora. E ela falou: “Eu não devo nada a ninguém, vou lutar. Minha vida é essa. Estou dentro” – afirmou o medalhista olímpico.

Globo Esporte.


Repórter PB

Destaques