Reforço

Meia, palmeirense de infância e amigo de Alex: Zé Rafael é o segundo em dois anos no Palmeiras

Em 2017, o Palmeiras acertou a contratação de Raphael Veiga junto ao Coritiba.

Meio-campista, amigo do ídolo palestrino Alex, e que se revelou palmeirense desde a infância logo em sua entrevista de apresentação. A torcida alviverde pode logo reconhecer Zé Rafael, que conversou com os jornalistas na última quarta-feira, mas o atleta ex-Bahia é na verdade o segundo com o mesmo perfil em dois anos.

Em 2017, o Palmeiras acertou a contratação de Raphael Veiga junto ao Coritiba. O atleta, então com 21 anos, não titubeou e logo assumiu a infância alviverde, sendo esta, assim como no caso de Zé Rafael, influenciada por sua família.

“Eu venho de uma família que é praticamente inteira palmeirense. Foi o meu avô, que era muito palmeirense, que começou com tudo isso. Ele passou para o meu pai, que passou para mim e para o meu irmão. Desde pequeno esse sonho foi aumentando, até que comecei a jogar bola e sempre tive em mente vestir a camisa do Palmeiras”, afirmou o atleta na ocasião.

A amizade dos dois atletas com Alex é outra semelhança, mas o apelido nem tanto. Em sua entrevista, Zé Rafael revelou que chama o ex-jogador de “Cabeça”, enquanto ele tem o apelido de “Nareba”.

“O Alex é um grande amigo meu. Quando eu estava subindo no Coritiba, ele me ajudou muito, me deu muita assistência. E quando ele soube que eu estava para vir para cá, também me deu muita força, me disse que o clube era sensacional, e eu estou comprovando agora”, afirmou. Quanto aos apelidos, não tem o que negar (risos). Ele é o “Cabeça”, eu sou o “Nareba”. Vou falar o quê?”.

Veiga, quando chegou ao Maior Campeão do Brasil, também falou sobre a relação com Alex. Ambos têm em comum o fato de terem vindo do Coritiba para reforçar o Palmeiras. “Ontem eu estava falando com o Alex, nós saímos. Ele cobra muito de eu entrar na área, que meia tem de fazer gol. Até brincou que não adianta eu pegar 700 vezes na bola e não der um chute a gol, não colocar ninguém na cara do gol, não finalizar”.

Os valores das duas transações, porém, foram bastante diferentes. O Coritiba negociou 50% dos direitos econômicos de Veiga por R$ 4,5 milhões, enquanto o Bahia ficou com R$ 14,5 milhões por 70% dos direitos de Zé, que também tem passagem pelo Coxa.

Agora, com o retorno de Raphael Veiga após empréstimo ao Atlético-PR, os dois estão novamente juntos no Palmeiras e brigando, talvez, pela mesma posição. A torcida espera se ver representada em campo e com os atletas mostrando um futebol de nível similar ao do amigo.

Com Gazeta Esportiva

Repórter PB

Destaques