Grande importância

Capacitação na Finlândia é tema de encontro entre professores que participaram do Gira Mundo

O intuito da reunião foi integrar os professores que participaram da experiência

Professores e gestores que participaram da capacitação por meio do Programa Gira Mundo Finlândia nos anos de 2016, 2017 e primeiro semestre de 2018 se reuniram na manhã desta sexta-feira (18), no auditório da Escola de Música Antenor Navarro, no Espaço Cultural, em João Pessoa, para discutir e trocar experiências a respeito do Programa, que é uma parceria entre a Secretaria de Estado da Educação (SEE) e a Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado da Paraíba (Fapesq). Até agora três turmas – totalizando 72 professores da Rede Estadual – foram enviadas para as Universidades finlandesas Häme University of Applied Sciences (HAMK), na qual ficaram por dois meses, e Tampere University of Applied Sciences (TAMK), onde estudaram por um mês.

O intuito da reunião foi integrar os professores que participaram da experiência, recepcionar os que chegaram esta semana da Finlândia, além de apresentar aos novos professores a criação da Rede Gira Paraíba de Formação e Colaboração. O secretário de Estado da Educação, Aléssio Trindade, explicou o motivo e a importância da criação da Rede. “Toda a orientação que a gente recebe do Governo do Estado é de que o Gira Mundo forme uma rede de professores. Por isso, o governador Ricardo Coutinho, em fevereiro desse ano, por meio de um decreto, criou a Rede Gira Paraíba de Formação e Colaboração, que é uma rede de professores que foram para a Finlândia, retornaram, e aí partir daí, passam a criar novos métodos e formam novos professores”, explica.

Para o secretário, a Paraíba já tem colhido os frutos desse programa. “Aqui na Paraíba nós já temos em curso uma formação em EAD, feita pelos professores do Gira Mundo Finlândia 2016, formando mais de 500 professores na nossa Rede Estadual. Nós já temos experiências relevantes feitas pelas professoras que retornaram da universidade de TAMK, em 2017, na área de inovação e empreendedorismo, na Escola Severino Cabral, em Campina Grande, e na escola João Goulart, em João Pessoa”, afirma.

O secretário acredita ainda que realizar essa ação de reunir os professores é muito positiva, para que os professores que retornam hoje vejam que não estão sozinhos, que vão fazer um processo de mudança e transformação em suas escolas, mas que eles também fazem parte de uma rede e vão poder ir além de suas escolas, vão poder influenciar a Paraíba.

Em 2018, estão sendo selecionados 20 participantes para Israel e já foram selecionamos mais 80 professores para a Finlândia, que viajam no segundo semestre.

A experiência dos intercambistas - Regina Cláudia é professora de língua portuguesa da Escola Estadual Pedro Anísio. Foi uma das participantes do Gira Mundo Finlândia no ano de 2017 e acredita estar fazendo, desde então, a diferença em sua escola. “Tem sido um momento desafiador, porque quando a gente tá lá na Finlândia a gente vivencia muitas estratégias e metodologias, e quando a gente chega aqui a gente quer colocar tudo em prática, depois a gente vê que é necessário uma série de adaptações, mas que o mais importante mesmo, para que a gente consiga colocar essas estratégias em prática, é conseguir alinhar esse trabalho com outros professores e também com os alunos. Eles precisam entender essas novas propostas, novas formas de ensinar, novas formas que a gente propõe para que eles aprendam, não só de forma que a gente transmita o conhecimento, mas para que eles sejam realmente protagonistas desse conhecimento. A gente está fazendo a diferença, a gente está começando e a gente espera colher esses frutos aqui no nosso estado e em outros estados do Brasil”, afirma.

O professor Danilo Araújo também pôde vivenciar a experiência de intercâmbio na Finlândia. Ele é professor de física na Escola Estadual Geraldo Lafayette Bezerra e acredita que a oportunidade agregou muito à sua formação profissional. “A experiência na Finlândia foi um divisor de águas na minha vida profissional, porque os conhecimentos que a gente adquiriu lá são de fundamental importância para a minha vida profissional. Eu vinha em um desestímulo muito grande em relação à minha vida profissional, mas a Finlândia, o modo de vida, as coisas que a gente aprendeu lá, a educação finlandesa, me mostrou que eu posso fazer mais, que eu posso trabalhar para a educação dos meus alunos, a educação do meu estado e do meu país”, afirma.

Repórter PB

Comentários

Aviso legal: Todo e qualquer texto publicado na internet através do Repórter PB , não reflete a opinião deste site ou de seus autores e são de inteira responsabilidade dos leitores que publicarem.

Destaques