#poço dantas

Emoção e homenagens marcam missa de dois anos de saudades do pecuarista, pai da ex-vereadora de Poço Dantas, Eva de Sousa Lira

Familiares, amigos, lideranças políticas e a comunidade em geral participaram sexta-feira (20), às 17h30, na Comunidade de Bulandeira-zona rural de Poço Dantas-PB

Familiares, amigos, lideranças políticas e a comunidade em geral participaram sexta-feira (20), às 17h30, na Comunidade de Bulandeira-zona rural de Poço Dantas-PB, da missa de dois anos do falecimento do Raimundo Francisco de Sousa e quinze anos de falecimento da professora Rosa Guilherme de Sousa. A celebração foi presidida pelo padre César Pamplona Pinheiro.

Participaram da celebração eucarística familiares e amigos das cidades de Poço Dantas, Bernardino Batista, Joca Claudino, Uiraúna, Sousa, Vieirópolis, Poço de José de Moura, Triunfo, Venha-Ver-RN, Luís Gomes-RN, Coronel João Pessoa-RN e São Miguel-RN.

São filhos de Raimundo Francisco de Sousa e Rosa Guilherme de Sousa a ex-vereadora do Partido dos Trabalhadores (PT), ex-candidata a prefeita de Poço Dantas-PB pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), professora Maria Eva de Sousa Lira (Eva); o autônomo e locador Francisco César Neto; o comerciante Alexandre Guilherme de Sousa e o ex-conselheiro tutelar, Charles Guilherme de Sousa. Também tem como filho Jorge Sousa. O pecuarista Raimundo Francisco de Sousa era primo do saudoso produtor rural e ex-vereador de Poço Dantas e Uiraúna, João Guilherme Estrela (Joca de Duca) e tio do suplente de vereador Francisco Ivan da Silva – Neguinho de Chico Manoel (PSB).

O pecuarista Raimundo Francisco de Sousa disputou uma vaga de vereador pelo PSDB nas eleições de 2004 pela Coligação União de Todos por Amor a Poço Dantas formada pelos partidos PSDB e PFL e que teve como candidato a prefeito na sua coligação o advogado e professor Hélio de Almeida Freitas Machado e como candidato a vice-prefeito Geraldo de França do Nascimento (Geraldo de André).

“Perdemos um grande pai, um amigo e um gladiador pela vida. Lutou com força, serenidade, equilíbrio e determinação contra uma doença tão agressiva e cruel. Apesar das debilidades físicas que retiravam as energias ele continuava sempre otimista, acreditando que em algum momento venceria a crueldade da enfermidade. Agora está em paz, e nós choramos de saudades eternas. Nos últimos meses a fragilidade do seu corpo contrastava com o gigantismo de sua alma. Poço Dantas e a comunidade de Bulandeira ficaram pobres com a sua ausência. Descanse em paz meu pai”, disse a professora Eva de Sousa Lira.


Abdias Duque de Abrantes

Repórter PB

Destaques