Pesquisa

Vendas de varejo da Paraíba registram 2º maior crescimento do país, revela IBGE

Já na Paraíba, o indicador do varejo registrou crescimento na comparação com o mês anterior nos meses de maio (1%) e de junho (1,6%)

As vendas do varejo paraibano registraram forte recuperação em junho ao apresentar a segunda maior taxa de crescimento do país. Dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que houve expansão de 8,8% em junho, quando comparado ao mesmo mês do ano passado. Apenas o Estado do Acre (9,7%) ficou à frente do varejo paraibano, enquanto a média do país apresentou alta de apenas 1,5%.

Desempenho nos estados- Na comparação de maio para junho, o volume de vendas do varejo paraibano também foi destaque nacional com alta de 1,6%, empatado com a taxa do Maranhão (1,6%), ficando atrás apenas de Mato Grosso (2,8%), enquanto os destaques mais negativos ficaram para os estados de Roraima (-3,1%), Pernambuco (-2,2%) e Amazonas (-1,8%). As vendas do comércio varejista em junho recuaram em 12 das 27 unidades da Federação. O país amargou queda de 0,3%.

Já na Paraíba, o indicador do varejo registrou crescimento na comparação com o mês anterior nos meses de maio (1%) e de junho (1,6%). Outro indicador positivo em junho foi também no comércio varejista ampliado, que inclui veículos, autopeças e materiais de construção civil, com alta de 2,5% em junho na Paraíba sobre igual mês do ano passado, igual taxa do país. No acumulado de janeiro a junho, a Paraíba fechou o primeiro semestre com alta de 2,1% no varejo.

Para a gerente da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), Isabella Nunes, os índices positivos da Paraíba neste ano mostram descolamento da média do país. “Como a taxa de desemprego é menor que a média do país e o pagamento de salário da administração pública sem atraso favorecem os resultados do comércio local. Além disso, a inflação em queda com liquidações constantes traz alguma melhora no poder de compra, mesmo que a conjuntura seja ainda de recuperação lenta”, avaliou.

Repórter PB

Destaques