Palmeiras

STJD marca julgamento para analisar Dérbi da final do Campeonato Paulista

Pedido de impugnação do Palmeiras será discutido na próxima quinta-feira, dia 16

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva vai julgar na próxima quinta-feira, dia 16 de agosto, o pedido do Palmeiras de impugnação da final do Campeonato Paulista, vencida pelo Corinthians em abril.

O clube tenta desde então provar que houve interferência externa na partida. Na ocasião, o árbitro Marcelo Aparecido de Souza voltou atrás em uma marcação de pênalti do corintiano Ralf no palmeirense Dudu, no segundo tempo do clássico.

O Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo negou no início de maio pedido da diretoria do Palmeiras, com a alegação de que o prazo havia prescrito - 48h depois da realização da partida. O clube entende que fez tal solicitação no período correto, o que agora será analisado pelo STJD.

Se o Superior Tribunal de Justiça Desportiva entender que a solicitação palmeirense foi feita nos trâmites legais, ele pode devolver o caso para o Tribunal de São Paulo analisar o caso ou pode decidir por julgar diretamente o pedido do Verdão.

O Palmeiras chegou até a contratar uma empresa de investigação, que reuniu material que, segundo o clube, prova que o árbitro cancelou a marcação do pênalti após receber informações de pessoas que não faziam parte da equipe de arbitragem.

Relembre o caso

Para tentar provar interferência externa na anulação da marcação do pênalti de Ralf em Dudu, no segundo tempo do jogo de volta da final – vencido no tempo normal por 1 a 0 e também nos pênaltis pelos corintianos –, a diretoria do Palmeiras contratou uma empresa de investigação. Depois disso, o clube protocolou no TJD um documento de cerca de 100 páginas com o pedido de impugnação da partida.

O Palmeiras questiona a atuação de Dionísio Roberto Domingos, diretor de arbitragem da Federação Paulista de Futebol, e de Márcio Verri Brandão, membro da equipe de arbitragem da entidade paulista, dentro de campo da arena alviverde no momento da marcação da penalidade. Após confusão que parou o jogo por cerca de oito minutos, o árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza voltou atrás na decisão e optou pela marcação de escanteio.

esde a final estadual, Palmeiras e Federação Paulista de Futebol vivem momentos turbulentos nos bastidores. O clube rompeu com a entidade e não mandou representantes para a festa de encerramento do Paulistão. Durante o período, o TJD puniu o presidente Maurício Galiotte e o diretor jurídico Alexandre Zanotta por críticas ao torneio e ao tribunal.

Recentemente, Galiotte e Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da FPF, estiveram no mesmo voo que levou dirigentes para o Paraguai para o sorteio das oitavas de final da Libertadores. No hotel localizado na cidade de Luque, ambos evitaram contato quando frequentaram o mesmo ambiente. Com informações do Globo Esporte.

 

 

Repórter PB

Destaques