Você está aqui:
O propósito do fruto do Espírito

Verdade prática: Somente através de uma vida espiritual frutífera o crente poderá glorificar a Deus

Escola Bíblica Dominical – 8 de Janeiro de 2017 | Lição 2
Texto Áureo: Mt 3.8

Verdade prática: Somente através de uma vida espiritual frutífera o crente poderá glorificar a Deus.

Leitura bíblica em classe: Mt 7.13-20

INTRODUÇÃO:

a. O termo fruto é frequentemente usado de forma simbólica.
b. No contexto do texto abordado, “fruto” diz respeito a evidência da salvação.
c. Jesus, a partir do verso 15, expõe outros frutos, porém dos falsos profetas.
d. São os frutos dos falsos profetas que os revelam (15-20), e não sua confissão vazia (21-23). Jesus separa os verdadeiros dos falsos. No final do capítulo a casa daquele que construiu sua casa sobre a rocha é a que permanece, e não dos falsos, que construíram sua casa sobre areia.

e. A obra de Cristo não só nos salvou da ira vindoura, mas também nos enxertou na videira verdadeira, para que possamos dar muitos frutos (Jo 15.5) para o reino de Deus. (precisamos tomar cuidado com os critérios usados nos dias de hoje para dizer o que de fato é ter uma vida frutífera).

I. A VIDA CONTROLADA PELO ESPÍRITO

1. O que significa ser controlado pelo Espírito?

a. É ter comunhão com Deus de modo que todas as esferas de sua vida girem em torno da Palavra, para que, tudo o que você fizer seja feito para a glória de Deus. (sacerdócio universal; embaixador de Cristo!).
b. Ser cheio do Espírito é não ter mais paz no pecado; é não ter liberdade de pecar e ficar em paz consigo mesmo.
c. É mandamento bíblico “ser cheio do Espírito”. As pessoas que realmente desfrutaram um dia sequer do Deus Vivo, tudo o mais se torna secundário.
d. Muito diferente do que vemos hoje quando pessoas buscam a Deus para arrumar a sua vida. Com efeito, essas pessoas ainda não conseguiram desfrutar dos benéficos do reino de Deus que é justiça, paz e alegria no Espírito Santo (Rm 14.17). (parábola do tesouro escondido Mt 13.44)

2. Um viver santo.

a. “Como sabem pouco aqueles que pensam que a santidade é maçante. Quando se encontra a verdadeira santidade, ela é irresistível.” – C. S. Lewis
b. O pecado é bom, mas a consequência de resistir a ele é incomparavelmente melhor.
c. Ser santo não é ser perfeito, mas é ter fome por Deus. Santidade consiste em alegrar-se em Deus e desfrutar dele para o resto da vida. Experimente isso e você nunca mais será o mesmo.
d. No dia em que você estiver com dúvidas a respeito da vontade de Deus para a sua vida, lembre-se que há uma da qual Ele não abriu mão: “A vontade de Deus para vós é esta: a vossa santificação” (1 Ts 4.3).
e. Se fizermos essa, todo o resto se encaminhará; experimentaremos o bom, o perfeito e o agradável de Deus.

3. A verdadeira comunhão.

a. Estar ocupado tornou-se um símbolo de status. Ser ocupado e ser importante comumente parecem significar a mesma coisa. Porém, nada mais ameaça a nossa saúde espiritual do que este pensamento.
b. Só poderemos ter uma vida frutífera se ‘gastarmos’ tempo na presença de Deus.
c. A profundidade de um ministério é medida não pelo sucesso diante dos homens, mas pela intimidade com Deus.
d. Charles Spurgeon diz que “todas as nossas bibliotecas e estudos são um mero vazio comparado com a nossa sala de oração. Crescemos, lutamos e prevalecemos na oração em secreto”. (orar com qualidade é conhecer aquele com quem você está se relacionando).
e. Não existe quem fale mais conosco do que Deus, porém não há pessoa que ouvimos menos do que Ele. Comunhão, através da oração, requer disciplina, solitude e comunhão.

II. O FRUTO DO ESPÍRITO EVIDENCIA O CARÁTER DE CRISTO EM NÓS

1. O que é caráter?

a. É possível você encontrar um pessoa de caráter, porém, sem a salvação; mas é impossível você encontrar um salvo sem caráter.
b. Como alguém já disse: a santificação é o lado visível da salvação. Ser santo é ser parecido com Jesus:

“Coloquem Cristo diante de vocês como o espelho da santificação e busquem a graça para sermos espelhos de Sua imagem. Perguntem em cada situação enfrentada: ‘O que Cristo pensaria, diria, faria?’. Então confiem n’Ele para a santidade. Ele não os desapontará.” – João Calvino

c. Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; justificação é forense, realizada na eternidade; santificação é a obra do Espírito realizada em nós neste mundo.

2. Caráter gerado pelo Espírito.

a. É formado em nós através da regeneração, i.e., pelo novo nascimento. O cristão não é nascido do desejo da carne, e nem da vontade do homem, mas pela vontade de Deus (Jo 1.13).
b. Por isso todo cristão vive o presente diferente do seu passado. Há uma outra vida nele.
c. Este é um trabalho do Espírito Santo em nós.
d. Particularmente, a pessoa que sempre “resiste o Espírito”, como diz a revista, creio que seja alguém que ainda não nasceu de novo.
e. Paulo diz que quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja. Essa mentalidade é inimiga de Deus. Quem é dominado pela carne não pode agradar a Deus.
f. A despeito disto, diz a Escritura:

“Entretanto, vocês não estão sob o domínio da carne, mas do Espírito, se de fato o Espírito de Deus habita em vocês. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo” – Romanos 8.9

g. Você tem o caráter de Cristo? Isso é evidente? Quem controla você, a carne ou o Espírito?

3. Um novo estilo de vida.

a. O cristianismo não é moral, mas ontológico; quem é, não precisa ser exortado a ser, assim como o sol não precisa de ordem para brilhar.
b. Como pentecostal, preciso admitir que, muitos irmãos do nosso meio põe no mesmo bolo “dons” e “frutos”, pensando que as duas coisas se trata da mesma.
c. Por trás de um discurso piedoso pode haver um coração podre. A confissão nada é, se não for autenticada pelos frutos.
d. O joio é muito parecido com o trigo; a espécie falsa engana mais se for parecido com a verdadeira. O cristianismo antes de ensinar a sermos crédulos, adverte que precisamos ser céticos, já que não são todos os espíritos que procedem de Deus (1 Jo 4.1). Não que sejamos perfeitos, mas nosso alvo é diferente do alvo do mundo.
e. “As ovelhas podem até cair na lama do pecado, mas somente os porcos gostam de viver lá”.
f. Austeridade para com o corpo não tem nada a ver com santidade. (a religião, por vezes, dizem aos pássaros que voar é pecado):

“Já que vocês morreram com Cristo para os princípios elementares deste mundo, por que é que vocês, então, como se ainda pertencessem a ele, se submetem a regras: "Não manuseie!" "Não prove!" "Não toque!"? Todas essas coisas estão destinadas a perecer pelo uso, pois se baseiam em mandamentos e ensinos humanos. Essas regras têm, de fato, aparência de sabedoria, com sua pretensa religiosidade, falsa humildade e severidade com o corpo, mas não têm valor algum para refrear os impulsos da carne.” – Colossenses 2:20-23 (NVI)

III. TESTEMUNHANDO AS VIRTUDES DO REINO DE DEUS

1. O propósito do fruto.

a. Deus nos deu do seu Espírito para que pudesse livrar-nos da corrupção e das paixões do mundo (2 Pe 1.4).
b. Somente com este princípio ativo em nós poderemos cumprir a comissão de povo eleito, para anunciar as virtudes daquele que nos chamou das trevas para a sua maravilha luz (1 Pe 2.9).
c. Deste modo o cristão é alguém nascido da água, mas também do Espírito, pois confirma a lei que está em seu coração através da obediência da Palavra (Rm 3.31).

2. Uma vida produtiva.

a. J. C. Ryle diz que, o Espírito Santo age em nós com aquilo que a Palavra primeiramente requer de nós, e o nosso crescimento em santidade está de conformidade com esta Palavra, sendo nosso crescimento progressivo e por toda vida.
b. O cristão é alguém que sente o tempo todo uma necessidade de urgência; é alguém que tem a plena convicção que faz muito pouco pela causa de Deus, e por isso vai constantemente aos pés da cruz suplicar por misericórdia por sua vida e por aqueles que o rodeia.
c. Se você não se aflige com a sua situação e com a do mundo, certamente você está vivendo outro evangelho.

3. O que fazer para manter a produtividade.

a. “O reino de Deus é tomado pelo esforço” (Mt 11.12), i.e., aqueles que querem ser fiéis a Deus precisarão de coragem para vencer o mundo e a tentação íntima.
b. A terra precisa ser arada, pois quando se encontra compactada, dura, a chuva cai e escorre; a semente bate e não entra; porém, quando é arada (revirada), a semente jogada cai na terra (fofa), cresce e da muitos frutos. Este processo é feito para que se possa ter mais produtividade.
c. Muita gente precisa ter o seu coração arado; o coração ainda se encontra duro; a terra dura é cortada no processo de arar; Deus, muitas vezes, faz isso conosco. Ele nos açoita não para nos cortar e lançar fora, mas nos poda para que possamos dar muitos frutos.
d. Precisamos, portanto, confiar em Deus mesmo quando tudo vai mal, pois todas as coisas concorrem para o nosso bem (Rm 8.28).

CONCLUSÃO

1. Quer vencer a tentação? Ande no Espírito! (Gl 5.16)
2. Quer dar muitos frutos? Permaneça em Cristo! (Jo 15.5)
3. O resta ele fará

"Afligir-se com suas sortes e circunstâncias é intrometer-se nos assuntos de Cristo e negligenciar os seus. Você tem procurado executar o trabalho de provisão e esqueceu que o seu trabalho é obedecer. Seja sábio, dedique-se a obedecer e deixa que Cristo administre o prover." — Charles Haddon Spurgeon


Soli Deo Gloria!
Fabio Campos

Aula ministrada na ICT – J - dia 08/01/2017

Curta nossa página fan page e tenha acesso a vídeos, artigos e reflexões de autores cristãos de todas as épocas: https://www.facebook.com/fabiosolafide/?fref=ts


Comentários

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Repórter PB, não reflete a opinião deste Portal.

Igreja é lugar de gente doente
A salvação na páscoa judaica
A Ira do Homem e a Ira de Deus