Você está aqui:
Justiça do Líbano não localiza menina brasileira sequestrada pelo pai

Agora com 13 anos, adolescente foi levada de São Paulo aos 5, quando estava sob guarda da mãe

A brasileira Claudia Boutros viajou para o Líbano nesta terça-feira (5) para resgatar a filha Gabriella, de 13 anos, sequestrada há sete anos pelo pai libanês. Após ganhar a guarda da filha na justiça libanesa e o direito de repatriá-la ao Brasil, esta é a segunda tentativa de encontrar a adolescente.

Como publicado pelo "G1", no último sábado (2), Claudia viajou para o país árabe, mas o pai, o empresário libanês Pedro Boutros, e a filha não foram encontrados na cidade onde moram, em Trípoli. A diligência chegou a localizar a avó da menina, mãe de Pedro, que teria informado que o filho se mudou para uma outra cidade, de acordo com o advogado de Claudia, José Beraldo.

Agora, Claudia, um oficial de Justiça do país, uma advogada libanesa e um representante do Itamaraty farão uma nova diligência nesta quarta-feira (6), segundo o "G1".

No mês passado, o site revelou que a Justiça libanesa tirou de Boutros a guarda de Gabriella e a devolveu à mãe. A menina tinha 5 anos quando foi levada de São Paulo. Ela aprendeu árabe e quase não fala português.

O pai é acusado de tomar Gabriella de Claudia, que tinha a guarda da garota após a separação. Na época, a criança tinha 5 anos e o empresário era autorizado pela Justiça de São Paulo a fazer visitas quinzenais.

Em 12 de março de 2010, Pedro pegou a filha na casa da ex-mulher e se dirigiu de carro a Foz do Iguaçu, no Paraná. Depois, ele foi para o Paraguai e pegou um avião até a Argentina. De lá, os dois seguiram para a França, onde embarcaram em direção a Beirute, capital libanesa.


Comentários

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Repórter PB, não reflete a opinião deste Portal.