Você está aqui:
Cícero minimiza confusão, elogia trabalho de Ceni e vê grupo unido

O meio-campista minimizou a confusão, rasgou elogios ao treinador e garantiu que o grupo está unido

A quarta-feira seria de folga para todos os jogadores do São Paulo, mas Cícero teve que comparecer ao CCT da Barra Funda para explicar a confusão com o técnico Rogério Ceni, divulgada nesta terça. O meio-campista minimizou a confusão, rasgou elogios ao treinador e garantiu que o grupo está unido.

“No intervalo do jogo contra o Corinthians (dia 16 de abril, pela semifinal do Campeonato Paulista, no Estádio do Morumbi), estávamos chegando ao vestiário e o Rogério deu um chute em um quadro em que ele faz explicações. O quadro caiu no chão e foi na minha direção, resvalou no meu pé. Isso é natural, acontece em vários outros lugares. Nem pegou em mim direito. Após a chacoalhada no vestiário, até fizemos um segundo tempo bom. Já presenciei jogadores chutando copos indignados por perder jogos. Isso é comum e acontece com vários treinadores. Criaram um bicho de sete cabeças, uma situação que não tem nada a ver. Time do Rogério e time do Cícero? Em que mundo estamos?”, explicou o atleta.

Durante toda a entrevista coletiva, Cícero tratou de minimizar o entrevero com Rogério Ceni. Apesar de admitir a confusão, o meia afirmou que a discussão foi ampliada e teceu diversos elogios ao treinador tricolor.

“Quem sou eu para confrontar o maior ídolo da história do clube? O Rogério é referência para todos nós, temos muito a aprender com ele. Sendo sincero, o trabalho dele é bom. No início da temporada, todos falaram que o São Paulo jogava um bom futebol e de posse de bola, mas sabemos que as eliminações pesam muito. Se falar que estamos bem, estarei mentindo, temos que botar pés no chão, calçar sandália da humildade e trabalhar”, disse.

Curiosamente, por causa de Cícero, Ceni já se desentendeu com Ney Franco, então treinador são-paulino em 2012. Tudo porque o Mito queria o meia no time titular e Ney preferiu deixar o meia no banco de reservas. No Tricolor, Rogério e Cícero foram campeões da Copa Sul-Americana em 2012 e, ao assumir o clube, o treinador pediu a contratação do atleta.

“Isso é natural, quando as coisas não dão certo, começam a fuçar para encontrar culpados. Para nós, jogadores e comissão técnica, temos que estar unidos para sair de uma situação dessa. Tive um ambiente muito bom aqui em 2012 e fomos campeões. Esse grupo atual é um dos melhores que trabalhei em toda minha vida. Todo mundo fala com todo mundo, não há vaidade, todos brincam”, finalizou.

A confusão ocorreu no intervalo da partida de ida da semifinal do Campeonato Paulista, contra o Corinthians, no Estádio do Morumbi, no dia 16 de abril. Na ocasião, o treinador tricolor entrou no vestiário irritadíssimo pelo gol sofrido nos acréscimos da primeira etapa, que deixou o Timão com vantagem de 2 a 0 no placar. Nervoso e aos berros, Ceni chutou um quadro, que acabou acertando o meia Cícero, o que iniciou uma discussão.

Publicamente, Rogério Ceni negou todo o entrevero com Rodrigo Caio e Cícero, mas nesta terça-feira, o fato já havia sido confirmado pelo volante Jucilei e pela própria assessoria de imprensa tricolor. O clube, no entanto, nega que o atrito tenha sido especificamente com o meio-campista.

 


Comentários

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Repórter PB, não reflete a opinião deste Portal.